Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

A tesoura de Doria no Passe Livre Estudantil em São Paulo

Prefeitura restringe horário para o uso de gratuidade e diz que gerará economia de 70 milhões

A partir de terça-feira, 1º de agosto, o estudante universitário Paulo Tonassi, 18, vai ter que rever a quantidade de viagens que faz de ônibus, trens e metrô usando o Passe Livre Estudantil em São Paulo. Ele e os cerca de um milhão de estudantes que hoje têm direito ao Bilhete Único Escolar terão de se readequar às novas regras para o uso do benefício. As novas normas estabelecidas pelo prefeito João Doria (PSDB), durante o período de férias, limitam o uso do passe. Se antes os estudantes poderiam fazer até oito viagens em 24 horas, agora serão quatro viagens restritas a dois blocos de tempo de duas horas. Em outras palavras, se antes ele poderia ir e voltar para a escola, mas também usar o benefício para ir ao cinema ou estudar na casa de alguém, agora esses deslocamentos extras ficaram bem mais improváveis.

No caso de Tonassi, ele explica que, com as restrições, não poderá ter acesso a outras atividades complementares ao curso de audiovisual que faz em uma faculdade particular. Por ser bolsista, ele se enquadra no requisito para ter acesso ao Passe Livre Estudantil. “Não terei acesso a exposições, por exemplo, ou a qualquer outra atividade fora da faculdade”, explica. Morador do bairro Jardim João 23, na zona oeste de São Paulo, Paulo pega dois ônibus, um trem e um metrô para chegar à faculdade, que fica em Santo Amaro, na zona sul da cidade. Para voltar, a conta é a mesma.

Leia mais:
https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/21/politica/1500647284_295594.html

Anúncios