Tags

, , , , , , , , ,

Como os filmes de Hector Babenco ecoaram na realidade

Diretor de 12 longas morreu na quarta-feira (13), aos 70 anos, após uma parada cardíaca

O último filme de Hector Babenco trata da vida. Ou, como ele definiu, de amor ao cinema. “Meu Amigo Hindu” é uma espécie de autobiografia não declarada sobre a história de um famoso diretor de cinema combatendo um câncer.

Nascido na Argentina em 1946 e naturalizado brasileiro em 1977, Babenco teve câncer linfático na década de 1990. Morreu na quarta-feira (13), aos 70 anos, após uma parada cardíaca.

Foram 13 filmes ao longo de mais de 40 anos de carreira. Babenco levou o Brasil ao Oscar com “O Beijo da Mulher Aranha”, ao Globo de Ouro com “Pixote: A Lei do Mais Fraco” e a Cannes com “Carandiru”, “Coração Iluminado” e também “O Beijo…”.

Em “Pixote”, talvez sua obra mais marcante, lançada no início dos anos 80, ele retratou as crianças abandonadas de São Paulo, que vivem pelas ruas da cidade.

Leia mais:
https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/07/14/Como-os-filmes-de-Hector-Babenco-ecoaram-na-realidade

Veja – Cinco filmes para não esquecer de Hector Babenco

Anúncios