Tags

, , , , , , , , , , ,

Ralph Abernathy, Martin Luther King, Jesse Jackson e Hosea Williams (da direita para a esquerda) no terraço do hotel Lorraine, em Memphis, na véspera do assassinato AP

A chuva que matou Martin Luther King continua caindo sobre os EUA

Nesta quarta-feira faz 50 anos que o líder negro foi assassinado em um hotel de Memphis. Ele se preparava para jantar quando saiu na sacada e foi atingido pelo disparo de um rifle Remington-Peters

Há quem pense que Martin Luther King morreu em 4 de abril de 1968 por causa de um tiro no pescoço. Mas é mais exato dizer que foi a chuva que o matou. Essa água tenaz que às vezes cai em Memphis (Tennessee) e que esteve na origem da greve de lixeiros negros que o reverendo havia decidido apoiar. O conflito era mais um caso da divisão racial que assolava os Estados Unidos. Nos dias de tempestade, a coleta de lixo era suspensa na cidade. Algo banal, não fosse o fato de que os trabalhadores brancos ganhavam pelas horas sem trabalho, mas os negros ficavam sem pagamento.

A flagrante discriminação havia desencadeado uma onda de protestos, e um jovem afro-americano já tinha sido assassinado. King, temendo um banho de sangue, foi defender os seus. Como tantas outras vezes, ficaria à frente da manifestação e desafiaria seus adversários com a desobediência civil. Preparando-se para essa jornada, hospedou-se no pequeno Motel Lorraine. Primeiro andar, quarto 306. Tranquilo, preparava-se para jantar com um grupo de amigos quando, ao sair na sacada do quarto, teve o pescoço atravessado pelo disparo de um rifle Remington-Peters. Eram 18h01 pela hora local, e a humanidade acabava de perder um homem justo.

“PRECISAMOS DE UM LÍDER, TANTO FAZ SE FOR BRANCO OU NEGRO”
Passados 50 anos, o tiro que matou Martin Luther King ainda ecoa nos ouvidos da América. Sucederam-se guerras e presidentes, epidemias e prodígios, mas a questão racial permanece aberta. Quem nasce negro tem o dobro de risco de cair na pobreza do que um branco. E sua vida será, na maioria dos casos, mais difícil. Os afro-americanos sofrem três vezes mais expulsões e suspensões escolares, sua renda familiar média é apenas metade, e, embora constituam 13% da população, respondem por 40% das detenções por porte ou tráfico de drogas. A discriminação é flagrante e, segundo um estudo do Pew Research Center, 61% da população (88% no caso dos negros, 55% no dos brancos) admite que a igualdade ainda não foi alcançada.

Nesse caminho imperfeito, nem sequer a eleição de um presidente negro foi suficiente. Barack Obama representou a culminação de um sonho, mas não o fim da história. Os crimes raciais continuam, a guerra de símbolos floresce, e Donald Trump, com sua terrível equidistância no crime de Charlottesville, mostrou-se incapaz de apagar o ódio. “O poder simbólico da presidência de Obama e a demonstração de que ser branco não bastava para evitar que os criados ocupassem o castelo abalou as noções mais enraizadas do supremacismo branco e instalou o medo entre seus defensores. E foi este medo o que deu a Donald Trump os símbolos que o tornaram presidente”, escreveu o pensador afro-americano Ta-nehisi Coates.

Trump, segundo os especialistas, é parte do desafio que a comunidade negra enfrenta. O republicano só obteve 8% do voto afro-americano, e essa fratura emerge onde quer que se pergunte. “Mais do que racista, Trump é um ignorante, um sujeito de uma época anterior a Martin Luther King”, diz Christine, uma afro-americana de 38 anos. É uma sexta-feira gélida do final de março. E Christine, secretária e mãe de uma criança de 7 anos, veio visitar o monumento a King em Washington. Não está sozinha. O vento é cortante, mas o local está lotado. Brancos e negros. “Olhe, os abusos são constantes, e nos faltam líderes. Para mim tanto faz a raça que tenham, mas precisamos de alguém com estatura suficiente para pôr fim à discriminação”, afirma Lia, de 23 anos, enquanto tira fotos da estátua. Trata-se de um bloco de granito branco do qual emerge um Martin Luther King de olhar desafiador e braços cruzados. Como sempre, preparado para a luta.

Leia mais:
https://brasil.elpais.com/brasil/2018/04/03/internacional/1522748570_422069.html