Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

Marina é mãe de Enzo (esquerda) e do Bruno (direita), ambos são diagnosticados com autismo

Mãe de duas crianças com autismo fala sobre diagnóstico: ‘Passei a ver a vida de outra maneira’

Bruno e Enzo Lorenzetti Gil, de 11 e 9 anos, convivem com o diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista (TEA) há 6 anos. Dia Mundial de Conscientização do Autismo é comemorado nesta segunda-feira (2).

“É só uma forma diferente de ser.” É assim que Bruno Lorenzetti Gil, de 11 anos, define como é conviver com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). O diagnóstico veio pouco tempo depois do irmão Enzo, de 9 anos, que possui nível severo do transtorno.

Os irmãos fazem parte dos 70 milhões de pessoas que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), vivem com essa condição no mundo e o dia 2 de abril, esta segunda-feira, foi a data escolhida para ações de conscientização sobre o autismo. De acordo com o último Manual Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, o DSM-5, a classificação do autismo sofreu mudanças nos últimos anos.

Atualmente, o Transtorno do Espectro Autista, ou TAE, engloba uma série de níveis, leves, moderados ou severos. “Tudo depende do grau de comprometimento do distúrbio. Quanto maior for o distúrbio, maior será a dependência da criança”, afirma Mayara Matsunaka, psicóloga do Centro de Apoio a Inclusão Escolar da Apae de Bauru (SP).

Eu estava em estado de luto, praticamente. E foi então que uma pessoa me passou o número de uma outra mãe e disse: liga pra ela. Foi o que eu fiz. No final, conversei com o filho dela, que tem autismo. Naquele momento eu percebi: não era uma setença de morte, e sim uma sentença de vida

Leia mais:
https://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/mae-de-duas-criancas-com-autismo-fala-sobre-diagnostico-passei-a-ver-a-vida-de-outra-maneira.ghtml

Anúncios