Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Estudantes protestam no Núcleo Educacional de Curitiba nesta terça. Albari Rosa Gazeta do Povo/Folhapress

Estudantes protestam no Núcleo Educacional de Curitiba nesta terça. Albari Rosa Gazeta do Povo/Folhapress

Ocupações diminuem no Paraná mas aumentam em escolas de outros Estados

Inspirados pelos estudantes do Chile, secundaristas cogitam protestar nas ruas contra mudanças na educação

Os pinguins chilenos saíram das margens do Oceano Pacífico e chegaram ao Atlântico no ano passado. Deixam rastros pelo Brasil até hoje. A Revolução dos Pinguins, como foi chamado o maior movimento estudantil da história de Santiago do Chile, completou uma década este ano, e serviu de inspiração para as mobilizações em São Paulo no ano passado contra a reorganização escolar. A bandeira da defesa da educação pública dos pinguins voltou a ser evocada neste ano entre os estudantes de vários pontos do país, com a chegada da PEC dos gastos públicos que impõe um teto de investimentos, e a reforma do Ensino Médio.

A ocupação do Colégio Estadual Padre Jansen, em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, é um dos filhotes dos pinguins chilenos, que foram batizados assim por causa dos uniformes tradicionais das escolas daquele país: camisa branca com calça, ou jumper (vestido que se usa sobre uma camisa) cinza e preto, lembrando as vestes da escola de Harry Potter. “Fomos ao Encontro Nacional de Educação, em Brasília, e conhecemos lá um estudante chileno que contou como foi a Revolução dos Pinguins”, conta Victória Pinton, 17, aluna do terceiro ano. A jovem foi ‘contagiada’ pelos pinguins. De volta ao Paraná, Victória e os colegas começaram a pensar em ocupar a escola por causa de um problema no fornecimento de merenda. “O problema acabou sendo resolvido, mas aí veio a medida provisória [que instituiu a Reforma do Ensino Médio], e decidimos ocupar”.

Leia mais:
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/11/02/politica/1478102466_461878.html?id_externo_rsoc=FB_BR_CM

Anúncios