Tags

, , , , , , , , , , , , , , ,

O samba da resistência

‘Do Valongo à Favela: Imaginário e Periferia’ mapeia a história na região da Praça Mauá e não deixa o samba morrer

Da casa de Hilário Jovino Batista ao pé do Morro da Conceição, naquele Rio de 1893, partiu o primeiro rancho carnavalesco, o Rei de Ouro, expansão da musicalidade afro-brasileira para além dos terreiros.

Aquele seria o movimento decisivo, origem de uma geração de sambistas, de Donga a João da Baiana, de Sinhô a Pixinguinha, frequentadores de uma Praça Onze, que, destruída em 1942, um dia se viu transformada em epicentro carnavalesco do Brasil.

O samba carioca nascera dos descendentes daqueles negros anteriormente caçados como malandros fujões. E se erguera sobre favelas onde os pobres lutaram contra o poder higienista que desejava excluí-los da visão exuberante e do convívio da cidade.

Leia mais:
http://www.cartacapital.com.br/cultura/bravo/o-samba-da-resistencia?utm_content=buffereb41c&utm_medium=social&utm_source=twitter.com&utm_campaign=buffer

Anúncios