Tags

, , , , , , , , , , , , ,

O presidente da Coaf, Cássio Chebabi (à esq.), o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de Bebedouro, Fernando Galvão. FOTO: DIVULGAÇÃO

O presidente da Coaf, Cássio Chebabi (à esq.), o governador Geraldo Alckmin e o prefeito de Bebedouro, Fernando Galvão. FOTO: DIVULGAÇÃO

Chebabi, da máfia da merenda, distribuía suquinho de laranja em eventos com políticos

Cássio Chebabi (na foto, à esq.), que foi filiado ao PMDB, se aproximava de autoridades para fazer lobby e abrir as portas para a cooperativa sob suspeita de comandar esquema de fraudes nas licitações em prefeituras; numa solenidade ele posou ao lado de Alckmin

O executivo Cássio Chebabi, sob investigação da Operação Alba Branca, tinha um hábito. Como presidente da cooperativa Coaf ele frequentava eventos públicos, principalmente nas cidades da região de Ribeirão Preto, aproximava-se de políticos e de autoridades e distribuía generosamente caixinhas de suco de laranja – um dos principais produtos vendidos a preços superfaturados pela cooperativa Coaf para compor a merenda escolar de administrações municipais.

Numa dessas festas políticas, no dia 28 de abril de 2014, em Bebedouro, ele “colou” no governador Geraldo Alckmin e no prefeito do município, Fernando Galvão. Alguém da própria equipe de Chebabi fotografou o momento de confraternização – o tucano aparece sorridente entre o prefeito e Chebabi, estes dois exibindo caixinhas do suco.

O presidente da Coaf teve prisão decretada pela Justiça por suspeita de liderar esquema da fraude na merenda escolar. Ele se teria infiltrado em pelo menos 22 administrações municipais, inclusive Bebedouro, perto de Ribeirão Preto, e também mirava em contratos da Secretaria da Educação de Alckmin.

Alba Branca cita deputados estaduais e federais supostamente ligados a integrantes da organização. O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo Fernando Capez (PSDB) é alvo de investigação da Procuradoria-Geral de Justiça. Ele nega taxativamente envolvimento com o grupo de Chebabi.

A operação foi deflagrada na manhã de 19 de janeiro. Dois dias depois, Chebabi apresentou-se e confessou como funcionava o esquema da merenda. Segundo ele propinas de até 20% sobre o valor dos contratos com as prefeituras eram distribuídas pelo lobista Marcel Ferreira Júlio, filho do ex-deputado Leonel Júlio, do antigo MDB.

Marcel está foragido. Ele caiu no grampo da Alba Branca em diálogos frequentes com Luiz Roberto dos Santos, o ‘Moita’, que até um dia antes da deflagração da operação ocupava a cadeira de chefe de gabinete da secretaria da Casa Civil de Alckmin. Relatório da Alba Branca mostra que ‘Moita’ operava ‘do Palácio’ com a quadrilha da merenda. Ele ocupava uma sala da Casa Civil – instalada no Palácio dos Bandeirantes -, comandada por Edson Aparecido.

Leia mais:
http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/chebabi-da-mafia-da-merenda-distribuia-suquinho-de-laranja-em-eventos-com-politicos/