Tags

, , , , , , , , , , , , , , , ,

Brinquedos que falam são piores para o desenvolvimento da linguagem na infância

Livros, blocos e outros brinquedos tradicionais são melhores que os aparelhos eletrônicos que emitem sons

Como bem sabem mães e pais, as conversas com seus bebês começam muito antes de eles saberem dizer palavras. Sucedem-se diálogos mais ou menos elaborados durante o banho, na hora de comer e ao brincar. Essas trocas de palavras são essenciais no desenvolvimento do bebê, sobretudo no quesito linguagem, e os brinquedos eletrônicos poderiam estar sendo de pouca ajuda. Um estudo que acaba de ser publicado insiste na suspeita que trabalhos anteriores já haviam manifestado: se o brinquedo fala, crianças e pais se calam.

Os pequenos aprendem brincando, e entre eles, seus pais e o brinquedo se forma um triângulo que deve fomentar a interação: o boneco é um coelhinho, a mãe verbaliza isso, e seu bebê assimila, tentando repetir e responder. Mas os brinquedos que emitem luzes, vozes e sons geram tanta atividade e interesse que rompem esse triângulo de aprendizagem: o aparelho age enquanto pais e filhos olham. A diferença com relação a outros brinquedos tradicionais – os analógicos – é tão substancial que pode ser notada inclusive estudando grupos pequenos.

Leia mais:
http://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/29/ciencia/1451385621_248957.html