Tags

, , , , , , , , , ,

“Os videogames já são cultura: se você não gosta, aguenta”

Criador do ‘Tetris’ diz que interatividade faz que o lazer eletrônico seja único entre as artes
Criador de Mario Bros: “Não criei minhas obras para serem consideradas arte”

Nas estantes de sua casa, ainda conserva o quebra-cabeças favorito da infância. Chama-se pentominós e é composto por 12 figuras formadas por cinco quadrados. Aos 11 anos, quando brincou pela primeira vez com esse jogo de encaixe geométrico, o fez com peças de plástico “laranjas ou vermelhas.” Embora agora existam peças de madeiras mais finas ou até cortadas a laser, essa versão ainda é sua favorita. “É a que conheci quando era menino.” Aos 59 anos, Alexey Pajitnov (Moscou, 1956), estrela convidada do festival Fun & Serious de Bilbao, na Espanha, tem uma expressão alegre. O sorriso de ser o criador do jogo mais popular de todos os tempos, o Tetris. Centenas de milhões de jogos vendidos em 30 anos de história.

Pajitnov viu o mundo dos videogames transformar-se na indústria cultural mais poderosa do planeta. Que movimentará mais de 80 bilhões de euros (cerca de 326 bilhões de reais) este ano, segundo a consultoria Newzoo, mais do que o dobro do que o cinema fatura nas bilheterias. Seu status cultural ainda é questionado. Mas não por esse designer russo: “Os videogames já são parte integrante da cultura, se você não gosta… aguenta [risos]”. Além disso, atreve-se a afirmar que têm algo que nenhuma arte tem. “Não quero falar em termos de melhor ou pior, comparando a literatura ou o cinema com os videogames. Todas as artes são esplêndidas. Mas os videogames têm uma vantagem imbatível: a interação.”
http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/15/tecnologia/1434354796_205397.html

Leia mais:
http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/29/cultura/1448792429_906604.html