Tags

, , , , , ,

A Fundação Casa por quem já foi um menor infrator

Depois de 43 anos, quis entrar em uma unidade para conversar com os meninos. Mas eu não estava preso e, portanto, não devia seguir as regras da prisão deles. Este foi meu erro

por Luiz Alberto Mendes Jr.

Há cerca de 43 anos eu estava saindo de uma prisão para menores de idade com 18 anos e a cabeça completamente tomada pela cultura criminal que se desenvolve ali dentro. Foi exatamente por esse motivo que montei um projeto de Oficinas de Leituras para entrar nas unidades da Fundação Casa. Queria conversar com os meninos, particularmente com os que estavam para sair. Acreditava que podia ajudar, falar sobre o que vivi, “desglamurizar” a cultura de crime que os impregnava. Ao mesmo tempo queria saber sobre eles; o que sentiam, o que pensavam e se era diferente do meu tempo.

Fiz a maior correria, conversei com diferentes pessoas para viabilizar o projeto. Consegui o financiamento da revista Trip e furei o bloqueio para entrar nas unidades por meio da ONG Ação Educativa. Eles já mantêm um projeto educativo na Fundação. Entrei nas unidades acompanhado do Wagner, um dos monitores da Ação Educativa. E foi ótimo. Conseguia me comunicar com eles; ainda sabia a linguagem. Eram já rapazes, quase todos maiores que eu. Havia disciplina nas unidades; os jovens haviam assimilado a cena do comportado educado e a representavam bem. Não havia mudado nada; ainda ali estavam dominados pela cultura do crime. Alguns deles diziam que esperavam completar 18 anos para ingressarem nas facções criminosas dominantes. Era mais revolta (contaram que os funcionários espancavam) e toda aquela energia produzida por hormônios próprios da idade que não podiam ser extravasados. Estar preso é duro, ainda mais sendo jovem. A capacidade de auto-crítica estava ainda em formação; eles sempre jogavam a culpa nos outros.

Queria conversar com os meninos. Particularmente com aqueles que estavam para sair. Acreditava que podia ajudar, falar sobre o que vivi, desglamorizar essa cultura de crime que os impregnava.

Leia mais:
http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-fundacao-casa-por-quem-ja-foi-um-menor-infrator-3536.html

Anúncios