Tags

,

O desaparecimento de estudantes no México

A tragédia de Iguala, na Comissão Interamericana de Direitos Humanos

O caso dos 43 estudantes desaparecidos em Iguala chega à Comissão Interamericana
“Com o sofrimento não se negocia, queremos nossos filhos vivos”

Felipe Arnulfo Rosa, Benjamín Ascensión Bautista, Israel Caballero Sánchez… Um a um, os nomes dos estudantes desaparecidos há mais de um mês em Iguala ecoaram na quinta-feira na sede da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) em Washington.

“Hoje não estamos todos aqui, hoje faltam 43 estudantes, por isso queremos mencioná-los”, proclamou María Luisa Aguilar, do Centro de Direitos Humanos da Montanha Tlachinollan, enquanto pedia um minuto de silêncio por eles e por todos os desaparecidos ou executados em atos de violência do crime organizado no México durante os últimos anos. Atrás dela, vários ativistas denunciavam com cartazes a responsabilidade do Estado mexicano. “Foi o Estado, justiça, busca, verdade”, era possível ler nos cartazes levantados pelos representantes de organizações de direitos humanos.

http://brasil.elpais.com/brasil/2014/10/30/internacional/1414697098_134305.html