A rebelião das sobreviventes

Mobilização das vítimas de abusos sexuais em universidades dos EUA expõe um drama oculto em instituições que são um orgulho nacional

“Quando você está sendo estuprada, o tempo se torna um inimigo. Ele se desacelera a um ritmo tão insuportável que cada segundo se transforma em uma hora; cada minuto, em um ano; e o estupro, em toda uma vida. Em 25 de maio de 2011, fui estuprada por um conhecido no alojamento Crossett do campus do Amherst College.” A autora dessas linhas, Angie Epifano, é uma sobrevivente. Dana Bolger, Camilla Quanta, Emma Sulkowicz, Zoe Ridolfi-Starr, Sarah Yee, Annie Clark, Andrea Pino e centenas de outras mulheres também. Não são frágeis, nem se sentem vulneráveis. Não foram derrotadas. Não são vítimas. E no entanto, disseram “basta”.

http://brasil.elpais.com/brasil/2014/10/05/internacional/1412528534_647981.html