A América Latina terá seu próprio programa de intercâmbio de estudantes

Por volta de 200.000 latino-americanos se beneficiarão da experiência de se formar em um dos países da região até 2020

Desde os anos 90, os países ibero-americanos se esforçam para ampliar o acesso de classes menos favorecidas à universidade. Agora o objetivo do grupo é conseguir mais qualidade, passando pelo intercâmbio de conhecimento através da mobilidade de estudantes, professores e pesquisadores. Por isso, no mês de dezembro, os chefes de Estado da região acertaram dar forma ao seu plano de intercâmbio. A nova diretora da Secretaria Geral Ibero-Americana (Segib), Rebeca Grynspan, fez o anúncio durante o III Encontro Internacional de Reitores da Universia, a maior rede de universidades de fala hispânica e portuguesa.

A intenção é que 200.000 ibero-americanos tenham uma experiência educativa internacional até 2020. Serão contemplados, para 2015 e 2016, inicialmente 25.000 estudantes, que serão os pioneiros do programa, ainda sem nome. “Para escolher o nome, talvez devêssemos abrir um concurso”, brincou Grynspan.

http://brasil.elpais.com/brasil/2014/07/28/sociedad/1406560670_559942.html