Oriente Médio

Sem olhos para Gaza

A tão sonhada paz na região depende de Israel, a parte mais forte e equipada do conflito
por Celso Amorim — publicado 25/07/2014

Há tragédias inevitáveis que nos colocam diretamente diante do mistério da vida humana e de sua relação com as forças da natureza ou com a própria divindade. O terremoto de 2010 no Haiti é um exemplo dessas catástrofes inexplicáveis, para citar apenas um caso, cujos efeitos devastadores eu pude ver mais de perto. Há, também, convulsões político-sociais, como as provocadas por movimentos como o ISIL (recuso-me a usar a outra sigla, que coincide com o nome da deusa egípcia, símbolo de fertilidade e, portanto, de vida), que buscam inspiração em crenças que remontam a um período obscuro da História, convenientemente distorcidas para justificar o culto à violência e ao terror sectário. Diante desses tipos de tragédia, que desafiam nossa capacidade de entendimento, há uma perplexidade natural, que inibe a ação e coloca em dúvida a eficácia de qualquer solução.

Mas há também as tragédias evitáveis ou aquelas cujo estancamento está ao alcance dos homens, principalmente dos líderes políticos. Esse, a meu ver, é o caso de Gaza. A matança desenfreada a que assistimos neste momento é, em larga medida, repetição do conflito que atingiu aquele sofrido território entre a véspera do Natal de 2008 e os primeiros dias de janeiro de 2009. Como chanceler do presidente Lula, estive na região, em janeiro de 2009, levando nossa solidariedade ao povo palestino e tratando do tema nas principais capitais. Foi essa uma das cinco vezes em que visitei Israel. Estive outras tantas na Palestina. No caso desta, minhas visitas se limitaram à Cisjordânia, especialmente a Ramallah. As autoridades israelenses não me permitiram ir a Gaza, quando tentei fazê-lo em 2010, apesar dos projetos de assistência técnica que o Brasil financiava, um dos quais em colaboração com Índia e África do Sul, os outros dois integrantes do fórum IBAS.

Tanto em Israel quanto na Palestina, constatei que setores importantes da população e lideranças expressivas desejavam ardentemente a paz. Do lado israelense, com matizes diferentes, homens como o escritor Amós Oz e organizações como a Peace Now eram críticos das ações belicosas do governo e buscavam o diálogo com os palestinos, inclusive por meio de contatos entre as respectivas sociedades civis. Quando falei com o grande escritor israelense sobre um possível foro de intelectuais, Oz acertadamente me respondeu que melhor seria um encontro entre educadores. Líderes como Shimon Peres e, mesmo, membros do atual governo, como Tzipi Livni, com quem estive quando ela era ministra do Exterior e, posteriormente, como líder da oposição, tentavam, com aparente sinceridade, encontrar uma solução pacífica e negociada para o conflito com os palestinos, sem a qual – compreendiam – Israel jamais poderá viver em segurança.

http://www.cartacapital.com.br/revista/809/sem-olhos-para-gaza-6206.html