As salas de aulas ‘feias’ geram menos estudantes

Um estudo vincula as deficiências nas estruturas de um colégio aos maus resultados acadêmicos

Você gostava de ir à escola? Se assistir as classes não era sua atividade preferida, talvez seria se fosse hoje. Desde televisores de plasma até pão caseiro recém saído do forno e muito espaço para jogos, as escolas latino-americanas oferecem cada vez mais incentivos “extra curriculares” aos seus alunos para atrai-los para a sala de aula e criar condições ideais para o ensino.

Vários estudos sustentam esta estratégia, embora o mais revelador deles é a pesquisa recente feita com diretores de colégios que conduzem o Programa para a Avaliação Internacional de Alunos (PISA).Nela, os máximos responsáveis escolares da região afirmam que as pobres condições físicas de seus centros de estudo explicam, em parte, a deficiente aprendizagem estudantil.

Características tais como poucos espaços recreativos, salas de aulas pequenas, iluminação pobre e controle da temperatura ambiente afetam os estudantes da América Latina. O maior problema, de acordo com a pesquisa, são os sistemas de calefação e condicionamento. Costa Rica e Brasil, dois dos países mais calorosos, dizem ter mais da metade de seus alunos em sala de aulas com sistemas de controle de temperatura inadequados. A percentagem é de 40% no Chile e 43% no Peru, segundo reportam os diretores.

http://brasil.elpais.com/brasil/2014/05/22/sociedad/1400782339_626063.html