Tags

,

50 anos do golpe

Uma ferida que sangra sempre

A perseguição ensinou a lembrar e resistir sempre, escreve a ex-ativista Maria Amélia Teles

Aquele dia 31 de março de 1964, era uma terça-feira. Voltei para casa, depois de um dia de trabalho na Companhia Siderúrgica Mannesmann, no Barreiro de Baixo, periferia de Belo Horizonte. O clima político andava nervoso, conflitos constantes. Havia comentários de todo o tipo na rua; “provocações” de pessoas estranhas, assim como gente que torcia para as reformas políticas prometidas darem certo.

http://www.cartacapital.com.br/sociedade/uma-ferida-que-sangra-sempre-6263.html